terça-feira, 26 de abril de 2011

ABC lidera tabela de aproveitamento

Fonte: Revista da Série B
http://sportv.globo.com/platb/revistadaserieb/2011/04/25/abc-e-vitoria-disparam-na-ponta-da-tabela-de-aproveitamento-em-2011/

Amigos blogueiros, mais um final de semana de jogos pelos estaduais se passou. Como foram, em sua maioria, partidas de fases decisivas, alguns clubes não entraram em campo por já terem sido eliminados em suas respectivas competições regionais, com exceção do Criciúma, que espera a decisão do returno para conhecer seu adversário na final do Catarinense, e do São Caetano, que ainda disputa o Torneio do Interior contra a Ponte a partir da próxima semana.



Na nossa tabela comparativa de aproveitamento das 20 equipes da Série B na temporada não tivemos grandes alterações. ABC e Vitória, que venceram, respectivamente, Alecrim e Bahia, seguem tranquilos na ponta. Apesar de terem bons números ofensivos, é na defesa que alvinegros e rubro-negros se destacam, com as 2 menores médias de gols sofridos.
Goiás e ASA, os outros integrantes do G4, também venceram. A derrota esmeraldina no meio de semana para o São Paulo fez com que o clube perdesse a posição para os alagoanos.
Na parte debaixo, Paraná, Bragantino e Prudente são os que têm os piores aproveitamentos. Não à toa 2 deles foram rebaixados nos estaduais. O Prudente já tinha caído para a Série A2 do Paulista. Neste final de semana foi a vez do Paraná amargar o rebaixamento no Paranaense.

 
A crise paranista começou em 2007 e desde então o clube só faz cair seu desempenho ao longo dos anos. Este ano teve um péssimo início e pagou por isso. Agora tem levantar a cabeça e se preparar, principalmente se reforçando, para a Série B, senão vai acabar rebaixado na competição nacional também. O rival Coritiba deve servir de exemplo de como se reerguer e está colhendo frutos mais rápido do que esperava. Num momento como esse, a rivalidade fica em segundo plano perto do amor pelo clube.
 

terça-feira, 19 de abril de 2011

Gustavo Lucena falou e disse....

O problema é que não há mais rivalidade e sim hostilidade
Por Gustavo Lucena, extraido do blog Papo Alvinegro

Meu pai é torcedor do rival e minha mãe ABCdista.
Obviamente puxei o lado materno. Para não desagradar meu pai, também fui criado como torcedor do Flamengo, impulsionado pela Geração Zico.

Quando era criança sempre ia para os clássicos acompanhado do meu pai. Por questão da idade tinha que assistir o jogo no limite das 2 torcidas. Sempre que o ABC fazia 1 gol eu comemorava e era respeitado, afinal quem iria insultar uma criança?

A convivência era bem pacífica. Aliás, assistir os jogos no Machadão era um programa bem divertido e pacífico, as cores eram mais misturadas. Era possível ver ABCdistas e torcedores do rival bebendo juntos em todos os bares, independente de que lado eles ficavam.

Lamentavelmente hoje em dia isso é um resquício do passado.

A rivalidade parece ficar restrista dentro do campo, porque fora dele o clima é de hostilidade. Digo isso porque os atletas dos 2 times, ao final de cada jogo, possuem uma convivência entre eles que certamente deixam os torcedores mais radicais de cabelo em pé.

Fora de campo, a harmonia passa longe

Além dos inúmeros casos de violência entre as organizadas, houve também - e aí considero o ponto mais crítico - uma quebra na convivência ética entre os clubes.

E essa quebra de convivência ética se deve a postura de alguns dirigentes, principalmente do lado de lá, em querer não derrotar o ABC apenas dentro de campo, mas fora dele também.

Quem não se lembra em 2007 da declaração de um dirigente do rival que para o clube dele o melhor era ver o ABC fora de série e sem competição para disputar? E que esse mesmo dirigente estava incentivando financeiramente os adversários do Mais Querido na Série C, sem que o seu clube do coração tivesse interesse direto na competição?

Será que vale a pena ajudar um rival cujos dirigentes tramaram a falência institucional do Mais Querido?

São essas medidas - aliadas ao comportamento nada civilizado de alguns marginais infiltrados de torcedores do rival - que nos leva a nós que fazemos a Frasqueira sermos radicalmente contrários a "dar a mão" para o rival nesse momento tão delicado.

Não me esqueço das notícias sobre as reuniões do conselho arbitral em que o rival comandava as ações para a formatação de um calendário mais esvaziado para o ABC e ninguém dizia nada.

Agora o jogo virou, é o ABC quem possui estádio e calendário fechado e ainda querem que a direção do clube seja solidária com os algozes de outrora?






sexta-feira, 15 de abril de 2011

Antecipação de jogo não cheira bem

Porque antecipar o horário do jogo do ABC, se o resultado deste jogo interessa diretamente ao América e Santa Cruz? 
De início não acredito em vitória, ou mesmo empate, do Santa Cruz neste jogo contra o América. O presidente de um é torcedor do outro.
Com a antecipação do jogo do ASSU e ABC em uma hora, ou seja, de 17 para as 16hs, o segundo tempo de América e Santa Cruz será após o término do jogo em Assu.
Aí fica fácil para as equipes no Machadão saberem o resultado que interessa as duas equipes.
Estranho, muito estranho, pois não vejo razão nenhuma para a antecipação do jogo do ABC.
Acho que o ABC deveria solicitar a revogação de tal decisão. É bom dormir com um olho no peixe e outro no gato.

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Cascata receberá o Prêmio DEZ/AMBEV

O ABC concorre ao Premio Dez 2010 - Júri Popular
Que será escolhido por votação popular no site da promoção
Qual destes indicados merece ganhar o Prêmio Dez 2010 - Júri Popular?
Link para votar: http://www.deznarede.com.br/premiodez/

 CONFIRA A LISTA DOS VENCEDORES


• Aquathlon - Raniere Carlos N. Silva
• Atletismo - July Ferreira da Silva
• Automobilismo
Kart - Gabriel Aguiar

• Automobilismo
Rally - Terêncio Félix e Bruno Dantas

• Badminton - Evelly Alves de Araújo

• Basquete - Vinicius Medeiros de Aguiar

• Basquete Master - Manoel Francisco Lamas Neto

• Beach Handebol - Diogo da Silva Pereira

• Beach Soccer - João Maria Nepomuceno “Dunga”

• Bodyboarding - Aline Mello

• Capoeira - Cleiton Minedson

• Ciclismo - José Wilker de Paiva

• Corrida de Aventura - Renato André Freire Gurgel

• Corrida de Rua - José Pereira da Silva

• Desporto Universitário - Christiane Cyrne Dantas Nunes do Nascimento


• Fisiculturismo
Figure - Suimei Hadassa

• Fisiculturismo
Musculação Atlética - Hercules Alves

• Futebol - Cascata

• Futebol Americano - Livanaldo Barbosa

• Futebol de Mesa - João Daniel Cosme

• Futsal - Edson Couto da Silva "Edinho"

• Ginástica Aeróbica Esportiva - Wanne Raccily

• Ginástica Artística - Renata Heloisa do Nascimento Guedes

• Ginástica para Todos - Balançarte

• Ginástica Rítmica - Paula Danielle dos Santos Martins

• Golf - João Carlos Nagy

• Handebol - Bruno Henrique Lins de Medeiros

• Hipismo - Caroline de Queiroz Saldanha

• Jiu-jitsu - Caio Alencar

• Judô - Débora Raquel

• Karatê - Pâmela Thays Gonzaga de Melo

• Kung Fu - Julio Antonio de Souza

• MMA - Renan Barão


• Motociclismo
Enduro FIM - José Roberto Costa Júnior
• Motociclismo
Quadriciclo - Haroldo de Sá

• Mountain Bike - Josias Emiliano da Silva

• Muay Thai e Kick Boxing - Carlos Oliveira

• Nado Sincronizado - Monique Caslistrato

• Natação - João Paulo Coutinho

• Paradesporto - Edênia Garcia

• Pesca - Flávio Pacheco

• Pólo Aquático - Lucas Azevedo

• Squash - Cesar José de Oliveira

• Surf - Alan Jhones

• Taekwondô - Rair Rodrigo Araújo Soares Moreira

• Tênis de Mesa - Ester Medeiros de Araújo

• Tiro ao alvo - Wilson Collier Júnior

• Triathlon - Francisco de Medeiros Fernandes

• Vela - Luiz Barreto e Reginaldo Monteiro

• Vôlei - Michel Brunno Oliveira Barreto

• Vôlei de Praia - Ienecy Ubirajara Chaves dos Santos

• Xadrez - Maximo Iack Miranda de Macedo





sábado, 2 de abril de 2011

Estádio do ABC é obra sem custo absurdo e dentro da realidade

Por Mauro Cezar Pereira, blogueiro do ESPN.com.br, em Natal (RN)

Vivemos tempos ainda mais megalômanos do que aqueles em que, no regime militar, estádios para dezenas de milhares de torcedores eram erguidos de norte a sul sem que existisse a menor necessidade para isso. Tudo por conta da malfadada Copa de 2014 e as exigências da "Dona" Fifa. Tudos os palcos do certame devem ser suntuosos, com luxo, caros, caríssimos, mesmo que depois da competição não sirvam para muita coisa e elevem o índice de elefantes brancos pelo Brasil.

Em Natal o ABC construiu seu simpático estádio para 18 mil torcedores. O Frasqueirão foi inaugurado em 2006, possui arquitetura simples, com módulos de arquibancadas para 2,7 mil pessoas atrás de cada gol e duas maiores nas laterais. A principal, com cadeiras e cobertura, agrega, ainda, as cabines de rádio e televisão e instalações para convidados etc. É claro que não é um estádio para Copa, além disso pode, e deve, oferecer mais conforto aos fãs. Assim que possível, claro.

Nada impede o ABC de ampliar o estádio se isso fizer sentido, ou seja, se em algum tempo o time atrair com frequência plateias superiores aquilo que as arquibancadas atuais comportam. Também é viável, e aconselhável, instalar coberturas sobre os demais setores, para que a torcida não fique sob sol e chuva. Em Natal há comentários sobre planos de melhorias no Fraqueirão que o clube espera viabilizar. Hoje, a equipe ganha 75% dois pontos que disputa em sua casa.

Clubes de outros centros deveriam se inspirar no exemplo do ABC. Flamengo, Cruzeiro, Fluminense, Atlético e Corinthians, já deveriam ter instalações para 20 mil, 25 mil pessoas. Jogariam em suas canchas a maioria dos compromissos, passando para os estádios maiores em cotejos com maior expectativa de público. Não pagariam aluguel, pressionariam os rivais em seus "caldeirões" e não dependeriam de esmolas políticas, tráfico de influência, etc.